[RESENHA] O Que Restou – Alexandra Oliva

0

Como um aficionado por distopias e livros envolvendo sobrevivência, O Que Restou parecia ser uma boa pedida para uma próxima leitura. Na história, um grupo de 12 pessoas participam de um reality show, onde passam por inúmeras provas de sobrevivência, sendo testados até o seu limite.

Um reality show de sobrevivência numa floresta, doze competidores testando seus limites, uma catástrofe capaz de pôr em dúvida nossa percepção do real. Romance de estreia de Alexandra Oliva, O que restou é um inquietante suspense de toques pós-apocalípticos. Na trama, Zoo e mais 11 concorrentes enfrentam as provas de um reality show ambientado numa floresta hostil, quando seu país é destruído por uma catástrofe em larga escala. Isolados de tudo e de todos e alheios aos acontecimentos, será que eles serão capazes de distinguir a realidade do simulacro em que se enredaram? Em meio ao esgotamento físico e psicológico e a um cenário assustadoramente devastado, Zoo reflete sobre a vida que deixou para trás, questionando as regras do jogo para o qual se candidatou. E enquanto luta para não ser eliminada, percebe que o mundo por trás das câmeras pode ter mudado drasticamente, sem que ela tenha se dado conta.

Nesse reality, perder uma dessas provas não faz com que a pessoa seja eliminada, esse grupo só diminui de número de integrantes quando um deles decidir “desistir” desse jogo de sobrevivência. E apesar de o foco da trama ser nessas pessoas, alternando entre passado e futuro, o livro não peca em construir uma narrativa além. Vemos também os bastidores desse programa, e sabemos a opinião pública sobre o mesmo, o que chega a ser bastante interessante. Fazendo analogia ao nosso momento atual, isso é exatamente o que fazemos quando acompanhamos nossos programas preferidos; comentados todos os momentos, escolhemos nossos participantes preferidos e torcemos assiduamente por eles.

Os personagens vão sendo construídos nessa alternância de tempo, onde percebemos como todo esse cenário que se encontram acaba moldando suas novas personalidades. Apesar da história passar uma boa parte ao redor de Zoo, uma mulher inteligente, calculista e bastante habilidosa, outros personagens também merecem destaque. Mateiro, por exemplo, que é um homem de poucos amigos mas muito convicto de que é mais do que capaz de vencer, ele é o tipo de cara que certamente conseguiria sair vivo em um cenário apocalíptico. Exorcista também merece uma menção, ele acredita fielmente que é capaz de ver fantasmas e coisas do tipo, o que traz um ar sobrenatural a mais para o enredo.

Um dos aspectos mais interessantes da história, é ver essas pessoas distintas tendo que trabalhar juntos pelo mesmo propósito. Porque além de todas as provas físicas, eles também tem que ser uma equipe e garantir que tenham o que comer e beber.

A autora Alexandra Oliva escreve de uma forma fácil de ler e compreender suas ideias, entretanto sua obra obviamente não é um grande marco da literatura ou o livro mais original dos últimos tempos. Apesar de ter a sensação de já ter visto ou lido algo parecido antes, talvez seja isso que faça esse livro ser tão interessante a principio. Em certa parte a história pode ficar um pouco arrastada, mas acredito que a experiência num todo valha a pena.

No mais, é um livro bom, ainda mais se você for uma dessas pessoas (como eu) viciadas em programas e filmes de sobrevivência.

CRÍTICA
O Que Restou
COMPARTILHE
Apaixonado por cinema, seriados e literatura. Quando criança queria ser astronauta, e hoje vive no mundo da lua.